Sobre Trabalhos: __ rastro#4 __ acúmulo __

Na madrugada do dia 11 de abril de 2015, das 3h30 – 7h30 da manhã, o Coletivo Cartográfico realizou a ação performativa __ rastro#4 __ acúmulo __ na Feira da Madrugada, Largo da Concórdia e percurso entre ambos, no bairro do Brás, em São Paulo/SP.

Foto: Viviane Bezerra

Foto: Viviane Bezerra

A ação integra o movimento#2 – cidade, deriva e cartografia do projeto Liminaridade | 5 movimentos, realizado e proposto pelo Coletivo em parceria com o Núcleo Tríade, contemplado pela 17a edição do Fomento à Dança da Cidade de São Paulo.

__ rastro#4 __ acúmulo __ faz parte da série de performances Rastros – ações site-specific que o Coletivo tem realizado desde o início de 2014, investigando relações corpo-materialidades-cidades que deixam rastros temporários que testemunham por um tempo mais dilatado do que o do ato performativo, a memória de alguma ação humana coreográfica.

As integrantes do Cartográfico decidiram, como parte do processo de mergulho teórico prático do movimento#2, portanto, conceber um novo Rastro, como via de riscar alguma fatia do corpo urbano.

A escolha do novo território urbano para a concepção de __ rastro#4 __ acúmulo __ se deu a partir das seguintes perguntas, lançadas pelo Coletivo na internet:

1. Qual seria um lugar que você gostaria de destruir na cidade de São Paulo?

2. Qual seria um lugar que te excita na cidade de São Paulo?

3. Qual seria um lugar com conflito de classe na cidade de São Paulo?

4. Qual seria um lugar de descanso na cidade de São Paulo?

5. Qual seria um lugar com muitas camadas de tempo sobrepostas na cidade de São Paulo?

A partir das diversas respostas recebidas, foi escolhido o Brás como o território para o desenvolvimento do novo Rastro e, a partir de pesquisas de campo, pesquisas históricas e sociais, derivas e trabalhos em estúdio, escolheu-se usar roupas como materialidade para a realização da ação.

Foram arrecadados e utilizados na performance o total de 236 peças de roupa – 104 blusas femininas; 28 vestidos; 14 casacos; 38 saias, shorts e calças femininas; 9 calças e bermudas masculinas; 25 camisetas e camisas masculinas; 2 shorts infantis; 1 avental; 6 gravatas; e 6 lenços.

__ rastro#4 __ acúmulo __ teve a duração total de 4h.

Segue, abaixo, seu programa performativo na íntegra.

Foto: Fernando Siviero

Foto: Fernando Siviero

 

__ rastro#4 __ acúmulo __

 

__ área de realização __

__ Feira da Madrugada __ percurso pelas ruas Oriente e Barão de Ladário até o Largo da Concórdia __ Largo da Concórdia __

 

__ duração __

__ o tempo que for necessário para a realização de todo o programa de ação __

 

__ materiais __

__ trouxas de lona que contém cerca de 78 peças de roupa cada __ pequenas caixas de som __ cada qual presa a um cinto __ contendo trilha composta por silêncios de 6 minutos __ cortados pelo som de sirenes de fábrica __

 

__ início da ação __

__ Feira da Madrugada __ 4.000 boxes __ cada performer veste um dos cintos com caixa de som __ ainda juntos __ os performers ligam __ ao mesmo tempo __ as caixas de som __ cada performer pega uma trouxa e a leva até o local de início da ação __ num corredor __ entre ambulantes que vendem suas peças no chão __ abre o saco __ estende a lona  no chão como um tapete __ expondo a pilha de roupas __ pausa __ quando a primeira sirene tocar __ começa a ação __

 

__ ação __

__ todos amarram __ uma a uma __  as peças de roupa __ uma na outra __

__ criam __ aos poucos __ uma corda __ uma tripa __ uma linha __

__ toda vez que a sirene toca __ pausam __ quando silencia __ continuam __

__ assim que terminam de amarrar todas as roupas __

__ amarram uma das extremidades da corda em sua cintura __

__ pegam todas as roupas nos braços __ caminham __ por entre a feira __

__ deixam a lona para trás __

__ toda vez que a sirene toca __ pausam __ quando silencia __ continuam __

__ ao chegarem no grande corredor inicial __ soltam as roupas no chão __ atrás de si __

__ um a um __ numa fila __ caminha para a frente __ em direção a saída __

__ deixando exposta a corda __ a tripa __ a linha de roupas __

__ toda vez que a sirene toca __ pausam __ quando silencia __ continuam __

__ ao chegarem perto dos bancos de rodoviária __ param de caminhar __

__ lentamente giram __ deixando que as roupas se amarrem em seus corpos __

__ quando todas as roupas estiverem juntas a seus corpos __

__ se deslocam __ por entre a feira __ seus corredores __ suas vielas __

__ em direção à outra saída __ a menor __ a da rua oriente __

__ toda vez que a sirene toca __ eles pausam junto às outras coisas __ paredes __ roupas também inertes __ sacolas __ quando silencia __ continuam __

__ ao chegarem na saída da rua oriente __ esperam __ até que todos tenham chegado __

__ então caminham próximos __ entre as ruas do Brás __ para o Largo da Concórdia __ rua do Oriente __ rua Barão de Ladário __

__ durante esse trajeto __ quando a sirene toca __ não mais pausam __

__ desamarram uma das peças de roupa de seu corpo __ a estendem no chão __

__ uma silhueta __ um outro __

__ deitam ao seu lado __ depois seguem a caminhada __

__ ao chegarem ao Largo da Concórdia __ caminham até seu centro __

__ desamarram __ uma a uma __ as peças de roupa de seus corpos __

__ estendem __ uma a uma __ lado a lado __ as roupas no chão __

__ deitam __ dessa vez por cima __ de cada silhueta criada no chão __

__ ali ficam um tempo __ o necessário __

__ depois se levantam __ reiniciam o processo __

__ as sirenes continuam __ mas já não importam __ tudo segue __

__ apesar delas __ com elas __

__ pouco a pouco __ do centro à periferia do Largo __

__ criam um desenho comum __ com as roupas que despem de si __

__ qual um tapete circular __

 

__ quando desamarrar de si a última peça de roupa __

__ uma vez mais a estende no chão __

__ uma vez mais deita por cima dela __

__ mas dessa vez permanece __

__ até que toque __ uma vez mais __ a sirene __ sua última sirene __

 

__ quando o som da sirene terminar __

__ se levanta __ desliga a caixa de som __ senta em um banco qualquer __ espera até que todos tenham terminado __

__ todos vão embora juntos __ deixando as roupas para trás __

 

__ agradecimentos __ roupas doadas __

Danila Lessa, Luísa Nóbrega, Maíra Dietrich, Patrícia Sampaio, Vanessa Vianna, Viviane Bezerra.

 

__ fotos de Fernando Siviero __

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

__ fotos de Viviane Bezerra __

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre Trabalhos: Instruções para o Colapso – de volta à Praça da Sé.

por Monica Lopes

Olhando com novos prismas de possibilidades depois da circulação pelas cidades do interior de São Paulo e revisitando materiais que geraram e atravessaram os nossos corpos via procedimentos de pesquisa e criação.  Compartilho impressões do dia que fizemos um  intensivão de procedimentos na Praça da Sé, para reconhecimento do espaço. Estavamos mudando do Anhangabaú para a Sé, e este novo espaço ainda era um grande mistério para nós. Agora de volta para a Praça da Sé nestes proximos dois finais de semana, resolvi por retomar este material de apontamentos e impressões muito vivos, que ainda permanecem e se entrelaçam com as vivências distintas que se fizeram em cada uma das cidade que passamos.

Últimas duas semanas do projeto Instruções para o Colapso!!!  Depois de uma série de colapsos a temporada volta para a Praça da Sé neste final de semana.

Datas da nova temporada: dias 21 (sábado), 22 (domingo), 27 (sexta), 28 (sábado) e 29 (domingo) de Setembro na Praça da Sé! Não percam e divulguem!

Instruções para o Colapso na Praça da Sé

Cartaz_instruçõesparaocolapso_final1_novatemporada_r1

Primeiro de maio, dia do trabalhador, calor intenso no início da tarde, praça da sé, centro de são paulo

circulavam muitas pessoas por ali, teve uma manifestação logo de manhã e ainda estavam desmontando todo o aparato

fizemos um intensivão de procedimentos um após o outro, sem pausa, no intuito de reconhecer este novo espaço

estavamos estávamos mudando do anhangabau para a praça da sé, meio afoitas,mudanças imprevistas da prefeitura devido a à copa das confederações e preparativos para a copa do mundo

tudo isso depois de tantas experiências e procedimentos vividos no anhangabau

um espaço completamente diferente, era o que estava diante de nós, no que concerne a pessoas era muito mais rico

uma infinidade de pessoas passavam e moravam nesta praça, mundos paralelos convivendo, respeitando, tolerando

por vezes, outras nem tanto

tivemos a oportunidade de presenciar a manifestação de moradores de rua, que acontecetodo ano, devido a uma chacina com 07 mortos – moradores de rua foram assassinados enquanto estavam dormindo

um mundo polifônico, com tempos e vozes completamente dissonantes

no meu corpo reverberaram ainda imagens, ficavam rastros, estes que invadiram um lugar íntimo, penetraram espaços subterrâneos

a repetição e as regras dos procedimentos levavam à a uma constante repetiçãodas trajetórias e, consequentemente, repetição das imagens que eram observadas: as pessoas no seu cotidiano, com micro-mudanças a cada volta que eu dava na praça

a cada repetição era possível observar mais detalhes, ver as pessoas de maneira crua –e, talvez mais nua – envolvidas em suas ações físicas cotidianas, e por vezes sem nem notar a existência deste observador externo

estar diante de uma vida íntima, lugar privado, sensação de não ter sido convidada

um olhar diretamente para o que não é visto, o que fica normalmente invisível as aosolhos no ritmo acelerados acelerado das cidades – as linhas invisíveis sociais que atravessam os lugares e territórios

o baile, o acolhimento depois de uma intensa curiosidade dos moradores de rua

no andar sem parar aleatoriamente, um desautomatizar começou a se fazer e deixava as camadas sobrepostas irem se descascando

as vontades primeiras eram desfeitas, desmanchadas, e abria-se espaço, assim, para o inesperado, o imprevisível

um procedimento após o outro, sem pausa, foram levando-me à a um estado de fruição-fluência-vulnerabilidade

o tempo se dilatou e a aproximação com o espaço e as pessoas se deu devido à a esta série de repetições do trajeto durante a deriva

era como se eu acompanhasse a história de cada uma daquelas pessoas no cairda tarde, a cada micro-mudança dentro da permanência de estar ali

as regras do chapéu e da roupa listrada me levavam sempre para o mesmo percurso

enquanto que a regra da pausa me levava a olhar, sentir a sé, em seus pormenores, vendo as pessoas em um misto de crueza e delicadeza

lembro de um sr. com manchas de sangue na testa, ele cochilava com a cabeça escorrendo para baixo, me lembrei do meu avô neste instante

uma sra. bem velhinha, com blusa vermelha, deitada, ela me olhava com tamanha profundidade cada vez que eu passava

vi outra sra. passando e lembro de alguém conversar com ela e dizer que o asilo estava para fechar, que ela devia se apressar

em outra pausa, lembro de um casal de namorados em um daqueles bancos arredondados de cimento

no baile era bastante divertido, muitas pessoas, muita festa, e um rítmo ritmo acelerado na dança

enquanto que ali na frente da igreja eu sentia um misto de turismo e cotidiano

quando eu deixei cair a fita adesiva no lago fiquei apreensiva e logo em seguida faleisem parar pela segunda vez por 10 min (um dos procedimentos do programa usado neste dia)

a primeira vez eu estava na frente da “casa abandonada”, o lugar estava vazio, só tinha eu e o vento, e uma mochila preta, que alguém esqueceu lá, e que parecia nova, com rodinhas

um homem apareceu e ficou lá sentado em uma das escadas na beirada de uma das portas das “casa abandonada”

eu via ele de longe, eu estava em frente as casas

ele gesticulava sem parar, e falava ao celular de maneira apreensiva ele falava com alguém e dizia: “você precisa parar de chorar! você precisa parar de chorar!!”

e continuava a gesticular e a falar cada vez mais alto

eu seguia falando sem parar gravando no celular e olhando para os detalhes dademolição das casas, as janelas, os vidros, as portas, as paredes, a escadaria

na segunda pausa eu estava bem perto, quase  na “Casa Abandonada”, no cruzamento bem perto do local onde os moradores de rua se concentram, mas um pouco mais perto da calçada e da rua

lá fiquei observando uma mulher de vestido amarelo e com uma blusa vermelha na cabeça

ela gesticulava e deixava as mãos moles, como se mortas, e estas balançavam soltas, enquanto ela se movia

atravessava a rua por vezes sem olhar, não se preocupava muito com os carros, nem com as pessoas, nem mesmo consigo parecia

eu fiquei ali, observando cada gesto daquela mulher, em um misto de estranhamento e curiosidade

pessoas passavam e não a viam ou fingiam não vê-la

ela era invisível

mas eu a via, e ela se movia com os gestos das mãos tapando o sol, ou balançando os braços em movimento cruzado

em certo momento ela se aproximava das pessoas, pedia algo, e continuava a gesticular com as mãos

tentou se comunicar com um casal, este a viu, mas fingiu que não viu e sairam saíram apressados, logo que puderam, quando o farol abriu

eles foram embora, e ela continuou ali neste chacoalhar de gestos e neste ir e vir no cruzamento

dali eu segui para tentativa de solucionar o problema de ter deixado a fita cair no lago

fui até uma banca de jornal e comprei uma fita adesiva e algo que parecia uma bobina de papel, o que encontrei para escrever os comandos e dar nomes aos atratores, como combinado que seria o proximo próximo passo dos procedimentos do dia

comecei, era risível a cena eu tentando ser rápida, mas deixando escorregar pelas mãos o rolo da bobina de papel, ou o canetão

sentava no chão, para melhor me acomodar e fazer o procedimento, e com isso, aos poucos comecei a me sentir em casa

as pessoas me paravam a toda a hora para perguntar o que eu estava fazendo, e as às vezes até para me ajudar, outras queriam seguir os comandos escritos, ou queriam saber o que ia acontecer, ou porque eu estava fazendo aquilo exatamente ali

elas queriam saber se era balé, teatro ou manifestação política

eu conversava com elas ao mesmo tempo que tentava dar conta de escrever os nomes e os comandos e colá-los em algum lugar visível

neste momento eu já havia aceitado a situação estava completamente envolvida com as pessoas e com o lugar

uma sra. com uma criança me perguntou porque tinha tanta gente colando estas coisas?

em uma das trajetórias eu ouvi um homem dizer: “elas estão fazendo exercício, elas fazem isto também lá no anhangabau”

outro perguntou se a gente não cansava nunca

e outro, que estas meninas adoram correr

quando voltei na casa em demolição para colar o comando, estava cheio de gente

todos os moradores de rua, que estavam concentrados mais perto das escadarias seguiram para lá para fumar crack e lá estavam

eu sentei no chão para escrever o comando, e um menino veio me indagar o que eu estava fazendo

assim que respondi, ele perguntou se eu queria ajuda e logo estava ele colando o comando para mim em uma das portas da “casa abandonada”

quando ele conseguiu colar acenei para ele agradecendo e fui me encontrar com as meninas

já era tarde, senti o celular tocando no meu bolso, era a fabi, eu havia perdido completamente a noção do tempo e estava bem emocionada

senti muitas vezes vontade de chorar e naquele momento eu me sentia demolida por dentro de muitas maneiras diferentes e simultâneas

fizemos as trajetórias e comandos de cada uma em coletivo e a transitoriedade dos espaços se deu na mudança das pessoas de lugar

começamos com a carol na “casa abandonada” junto aos moradores de rua, pequenas explosões, parede explodindo, seguimos, suspender com o vento, demolir e erguer muitas vezes com o vento, demolir-se na dança do grande “salão de festas”

observar o orador, dar voltas no guarda-chuva de sapatos

agora era eu, “grande passagem central”, seguir lentamente pelo corredor de pessoas que ficam sempre paradas sentadas olhando a movimentação da sé

explodir diversas vezes na primeira ponte, seguir e derreter-se

deslocando na segunda ponte,

ficar em pausa, olhando o lago, queda d’agua, contar até 30

seguir pelo canteiro do lago pela lateral, descer a escada pequena que leva ao lugar onde se ouve bem o som da água dentro do metrô, subir escada

segue e desce as escadarias correndo, corre até a “casa abandonada”, pausa, demolir-se por dentro, pequenas implosões 

neste momento um moço veio conversar com a gente, perguntou se a gente tinha sido

assaltada, afinal porque estavamos estávamos correndo? pedimos desculpas e falamos o que estavamos estávamos fazendo

ele abriu um imenso sorriso e disse que ficassemos ficássemos a à vontade, pois ali eles eram todos amigos dele e que ninguem ninguém ia mexer com a gente

ficamos um tempo ali em silêncio, com pequenas demolições

seguimos, era a dea agora: “salão de festa”, baile a céu aberto, observar a moça de vestido verde, dar voltas no guarda-chuva dos sapatos, orelhão cair, subir escada da igreja catedral, mover no entre-espaço, se demolindo lentamente até a banca de jornal, desmoronar

caminhar em linha reta em volta da banca de jornal

vai até a outra banca, senta e vê o movimento

agora fabi, senta embaixo de uma árvore, se ancora e sobe se segurando nos galhos

sobe e desce dos muros, sobe saltando e pula, vento do inflar no lugar de estender roupas, andar lentamente e depois se mover inflando no vento, ancorando nos bancos, e correr atras atrás da fabi, sentar e apenas observar.

 

Agenda: Oficina Demolir e Construir o Corpo-Cidade

O Coletivo Cartográfico irá este sábado, dia 20 de julho de 2013, das 10h-18h, realizar uma oficina acerca de dispositivos para o trabalho de rua que participaram do processo de criação do espetáculo Instruções para o Colapso… Serão trabalhados alguns programas performativos que agenciam rupturas nas relações corpo-espaciais com a cidade, buscando a criação de poéticas que partam deste choque primordial.

folder_oficina_horiz_color1

A oficina, fruto do ProAC Primeiras Obras de Dança da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, será realizada também em parceria com o Programa Vocacional Interlinguagens, da Secretaria de Cultura da cidade de São Paulo – http://planototaldaficcao.hotglue.me/ –  no Centro Cultural da Juventude (CCJ), na Zona Norte de São Paulo…

Sobre Trabalhos: Relatos do Início – O Anhangabaú…

Começo. Vale do Anhangabaú era nosso espaço-sede, por sua história de reconstruções, por suas riquezas espaciais… mas, um projeto chama seu tema: corpo-cidade e suas inconstâncias, colapso imanente.

O Anhangabaú ao fim de semana era vasto e vazio. Preenchido de pequenas solidões dispersas. Nossos poucos corpos, perdiam-se em sua vastidão. Derivamos, de maneiras diversas. Nomeamos seus espaços para melhor caber. O Anhangabaú era quase quinzenalmente preenchido por grandes eventos de todas as naturezas. Dia da mulher. Show de hip-hop. Evento evangélico. Os eventos nos engoliam, tornando nossos corpos inviáveis.

Ainda assim, talvez quixotamente, decidimos enfrentar o gigante-moínho, e desdobrar suas possibilidades ativas, encarando tudo que o espaço demolia em nós como potência.

Mas eis que mais impossibilidades se acumularam. Aquele espaço é palco do principal telão de copa do mundo há anos… lá seria montado o telão da copa das confederações e, pior do que isto, entraria em reforma no segundo semestre para a copa do mundo de 2014…

Desistimos. Demolições demais. Corpo frágil… decidimos ir para a Sé.

Mas, aqui, postamos procedimentos iniciais do processo… do qual de derivas e aproximações com o Vale, surgiram mapas, percursos, gravações e imagens de lugares por nós renomeados… Compartilhamos portanto, alguns materiais criados em março, que podem disparar possíveis experiências no trato coreográfico com a cidade:

A partir destas cartografias, nós renomeamos diferentes espaços do Vale, como se vê:

IMG_1547 IMG_1554 IMG_1560 IMG_1565 IMG_1567 IMG_1568 IMG_1577IMG_1573 IMG_1591 IMG_1583 IMG_1588

Agenda: A Chegada na Caixa de Abelhas

Hoje, na VI Mostra de Fomento à Dança, tem a primeira exibição do vídeo “A chegada na caixa de abelhas ou epidemia de dança e outras aflições”.

O Núcleo Cinematográfico de Dança convidou o cineasta e artista plástico Pedro Palhares para realizar um vídeo de uma performance intitulada “experimentações fora do lugar”*,  em parceria com a bailarina e performer Carolina Nóbrega,  nas ruínas do Complexo do Carandiru, mas não como um registro, e sim como um filme de ficção. Como ele poderia se infiltrar naquela ação, e enquanto filmava deveria já ir editando. Nesse sentido, foi também necessário vir com uma idéia prévia de sua concepção estética, pois nada poderia ser reeditado ou modificado.

Participaram da performance: Coletivo Cartográfico, Núcleo de Garagem, Janaina Carrer e Tamara Ka.

“Por uma Experiência outra;
Pelo improviso do olhar ao encontro do corpo
– pelo improviso do corpo ao encontro do olhar.
Como sair de um lugar escuro sem abrir os olhos, sem sentir o batimento do corpo?
Somos agora um só corpo&olho.”
(Pedro Palhares)
 
 
VI Mostra de Fomento à Dança
05.09.12  20h
Galeria Olido – Acervo de Dança
Av. São João, 473 – São Paulo
* “Experimentações fora do lugar“ foi uma das intervenções realizadas em 2012, dentro do “1o. Intercâmbio de idéias e ações: deslocamentos einstantâneos“,  do Núcleo Cinematográfico de Dança, através da 10a. Edição do Fomento à Dança

www.cinedanca.com

nucleodegaragem.blogspot.com.br

Sobre Trabalhos: dispositivo#2 – deriva

Programa:

Parte 1 Estabelecer uma regra de deslocamento qualquer (EX: se eu encontar o elemento A, viro na próxima rua à direita, se eu encontrar o elemento B, viro na próxima rua à esquerda, se não encontrar nada, sigo reto, etc) e seguí-la pelo Período de 1 hora.

Parte2 Programar um despertador para tocar de 5 em 5 minutos. Ao sinal do despertador, parar onde se está e fotografar.

Local de Início:Largo da Batata, na ilha do Metrô Faria Lima.

Data:12/05/2012.

Horário de encontro inicial:14h30.

Horário de duração da deriva:15h-16h.

Participantes:Coletivo Cartográfico – Andrea Mendonça, Carolina Nóbrega, Fabiane Carneiro e Monica Lopes.

Registros Individuais:

ANDREA MENDONÇA:

Regra de deslocamento: Seguir quando vir alguém com roupa vermelha. Parar quando vir alguém de roupa verde. Seguir bonés (de qualquer cor).  Troco quando encontro outro boné. No caso do boné branco, seguir sem parar. Só pode parar se vir criança de roupa vermelha ou verde ou cachorro. Diferente das regras da deriva anterior (não posso entrar em ambientes internos), se a pessoa que estou seguindo entrar em algum comércio ou qualquer ambiente interno, sou obrigada a entrar.

 15h

15h05

15h10

15h15

15h20

15h25

15h30

15h35

15h40

15h45

15h50

15h55

16h

CAROLINA NÓBREGA:

Regra de deslocamento: Se eu vir alguém ouvindo algo com fones de ouvido, viro na próxima rua à esquerda. Se eu vir alguém falando ao celular, viro na próxima rua à direita. Se eu vir alguém passeando com um cachorro, eu paro até que venha alguém ouvindo algo em fone de ouvido ou falando ao celular.

15h05

15h10

15h15

15h20

15h25

15h30

15h35

15h40

15h45

15h50

15h55

16h00

FABIANE CARNEIRO

Regra de deslocamento: Se eu vir alguma demolição, reforma ou construção, dou meia volta e continuo andando. Se eu vir alguém vestido com cores quentes, viro na próxima rua à direita. Se eu vir alguém vestido com cores frias, viro na próxima rua à esquerda. Se eu vir alguém com chapéu ou boné, eu paro em frente a uma vitrine e conto até 60. A demolição, reforma ou construção prevalece sobre as cores quentes, que prevalecem sobre as frias, que prevalecem sobre o chapéu ou boné.

15h05

15h10

15h15

15h20

15h25

15h30

15h35

15h40

15h45

15h50

15h55

16h

MONICA LOPES GALVÃO

Regra de deslocamento: Se eu vir  uma demolição eu viro a direita. Se eu vir um bar eu viro a esquera. Se eu vir uma pessoa com roupas listradas ou com listras eu viro a direita. Se eu vir pessoas com sacolas de compras eu viro a esquerda.


15h05

15h10

15h15

15h20

15h25

15h30

15h35

15h40

15h45

15h50

15h55

16h

Sobre Trabalhos: dispositivo#1 – deriva

Programa:

Parte 1 Estabelecer uma regra de deslocamento qualquer (EX: se eu encontar o elemento A, viro na próxima rua à direita, se eu encontrar o elemento B, viro na próxima rua à esquerda, se não encontrar nada, sigo reto, etc) e seguí-la pelo Período de 1 hora.

Parte2 Ao final de 1h de percurso, retornar ao ponto de partida em até 20 minutos desenvolver escrita automática: escrever sem parar por dado período, tentando seguir o fluxo dos pensamentos sem se preocupar com a coerência do que está sendo escrito.

Local de Início:Largo da Batata, na ilha do Metrô Faria Lima.

Data:28/04/2012.

Horário de encontro inicial:15h.

Horário de duração da deriva:15h30-16h30.

Participantes:Coletivo Cartográfico – Andrea Mendonça, Carolina Nóbrega, Fabiane Carneiro e Monica Lopes.

Registros Individuais:

Andrea Mendonça:

 

Regra de Deslocamento:

Seguir quando vir alguém com roupa vermelha. Parar quando vir alguém de roupa verde. Seguir bonés (de qualquer cor).  Troco quando encontro outro boné. No caso do boné branco, seguir sem parar. Só pode parar se vir criança de roupa vermelha ou verde ou cachorro.

 

Escrita Automática:

Vermelho verde vermelho verde. Boné seguir, trocar cor, boné branco seguir ininterruptamente. Vai e volta, vai e volta, repetição constante pausas. Um boné branco sobe uma escadaria, eu não posso entrar, fico na porta. Escada branca. Muitos jovens, casais. Só posso voltar a andar quando aparecer criança de calça verde ou vermelha e/ou cachorros. Vejo a criança verde no colo da mãe, essa de blusa vermelha. Sigo.  Entrar à direita. Boné branco me fez parar em um ponto de ônibus. Cachorro amarelo. O moço do carrinho tem boné azul, sigo e a Fabi vem. Homem da casa de carnes de boné branco, sigo, e ele para no orelhão para um telefonema, talvez breve, não permaneço por conta da criança vermelha. Voltas, e vai e volta, entre encruzilhadas. Ruas. Permaneço ali e me dou conta das repetições de pessoas. As pessoas aos poucos deixam de ser desconhecidas. Senhor de calça verde e blusa vermelha de manga comprida, moça grávida de calça verde de moletom. Compras. E eu novamente passo diante do som irritante de duas caixas enormes, tocando algo meio funk. Novos bonés, quando um homem me para e pergunta se eu posso entrar no sex shop para ele. Eu digo que não, preciso continuar seguindo. Direita e segue o boné que carrega um galão vazio de água. Galão que bate na lata de lixo verde. Lixo. Loja de bicicleta. Criança que chuta uma caixa de bicicleta. Papelão vazio no meio da rua. Moço do galão olha o tempo todo para trás, eu imagino que irá parar para falar comigo, mas ele segue, eu sigo. Polícia e ele vira a direita, quando eu vejo um homem de boné branco parado em frente a uma casa. Eu passo, observo a distância, parada na esquina sob meu guarda-chuva cor de vinho. Há um restaurante onde uma senhora idosa alimenta-se. E os policiais ali permanecem. Um jovem dentro de um carro branco observa-me, parado no sinal fechado. Eu olho para ele, mas não posso perder de vista o homem de boné branco sentado. Quando antes de abrir o sinal, passa um menino forte de boné branco, eu sigo, atravessamos uma avenida, viramos à esquerda, e ele entra em uma casa verde com varandas floridas. Talvez um restaurante, eu não posso entrar. Estado de espera. Permaneço. Permaneço. E o barbudo que desce de um fusca cor de vinho me vê, mas entra rapidamente na oficina mecânica. Troca de peças. Troca de roupas, troca de cores, troca de observador. E sai de dentro da casa verde um senhor de barriga sobressaltada, uma senhora talvez esposa, e um menino de óculos. Talvez almoço? Talvez café. Cheiro de café. Vontade de café. Atrás tem outro restaurante de janelas enormes de vidro. E a chuva cai, me observam do outro lado da rua, mas ninguém se aproxima. A rua fica vazia, desejo de entrar na casa verde e procurar pelo menino de boné branco. Tecido claro. Flores na varanda. Cheiro de café. Estado de espera. Em algum momento terei que voltar, mas a vontade é entrar em todas as portas que não me permiti pelas regras. Escadaria branca, casa, casa verde, restaurantes, oficina mecânica de parede amarela, lojas. Loja de sapato? loja de roupa? loja de móvel? sex shop? Será que eu deveria entrar na próxima visita? Talvez a regra seja entrar sempre, mas preciso me perder. Não consegui me perder, apenas permanecer, e permanecer, na confusão de lugares, cores, objetos, pessoas e portas.

 

 

 

Carolina Nóbrega:

 

Regra de Deslocamento:

Se eu vir alguém ouvindo algo com fones de ouvido, viro na próxima rua à esquerda. Se eu vir alguém falando ao celular, viro na próxima rua à direita. Se eu vir alguém passeando com um cachorro, eu paro até que venha alguém ouvindo algo em fone de ouvido ou falando ao celular.

Escrita Automática:

Largo da Batata Cartografitti as ruas molhadas menina esvoaça sob grades do metro minhas pernas doem sinto latejar caminhei muito tudo e nada desconhecido sinto meus pés dentro do sapato homem de fone ao meu lado, cinco minutos atrás, viraria à esquerda o cabelo cai pelo rosto cavalos a cocheira, imagino pessoas com roupas dos anos 40 letreiro e placar corrida de cavalos mulher bonita entra no jockey prostitutas e policiais quanto mais dinheiro menos pessoas olhar atônito de menino escrever é estranho minha letra está confusa molhada e as vezes abafada o vidro abafado muitos operarios muito sujeira vertigem subir na ponte, agarro ao corrimão não tinha onde passar os carros buzinam canteiro alto da marginal pinheiros embaixo da ponte nenhuma pessoa vestígios só, cachaça moradores de rua são derivadores quanto tempo não olhava a cidade não estive perdida mas cheia de olhares e passagens a pé por onde antes só janela guarda chuva frio calor confuso tá chovendo hein aqui na  estação fala ao celular a pouco tempo seria direita o tempo muda em suas passagens mudar o tempo em suas dinâmicas não sei nada sobre o tempo ou sobre a cidade meu útero proclama sua dilatação minha mão começa a doer da escrita eu vi o rio pinheiros do alto eu tinha medo de olhar se desgrudasse do chão poderia cair? Pisei em frutas moles, no jockey a esquerda não chegava nunca e minha cabeça hora era uma chaleira quente, hora uma núvem. Apenas um cachorro com um homem, mas não passeavam e por isso eu não pude parar é estranho isso de não poder parar e no entanto não ter aonde ir será que não é sempre assim e hoje só deixa o viver mais nu? Por que nossa cabeça se povoa de linguagem se linguagem nada tem a ver com o vento que me bate as costas pela fresta da janela? Se antes via muito agora só vejo esse caderno e a minha caneta bick 4 cores e tudo em volta é um borrão. Não parar de escrever como não parar de andar como ao virar a esquerda procurar alguém com fones ou celulares mas não bastava tê-los, tinham que usá-los como há lugares com muita e nenhuma gente os operarios trabalham trabalham algumas casas fazem churrasco ouvi dentro do jockey o som do jogo e estava cheio de carros no estacionamento da vivo em dias de chuva prostitutas esperam com guarda-chuva em suas saias curtas o largo da batata é o lugar mais feio do mundo suas alturas cinzas deixam as pessoas com cara de pó uma bailarina me pergunta onde é a brigadeiro faria lima pontos de onibus em dias de chuva são especialmente tristes meu dedo dói e será que as meninas ao meu lado ainda sabem o que escrever eu ainda sei escrever? Seguro um grampo na minha mão esquerda ouço os sons do metro não desvio o olhar dessas folhas brancas que ficam poluídas como as ruas conforme garrancho seus vazios a ponte tinha plástico e mantas de algodão um homem dentro do carro falou ao celular e me salvou da marginal pinheiros ninguém me salvou de subir na ponte tortuosa que não tem lugar para pedestres. Um homem dormia num carro velho eu vi a Julia Santos dei muitas voltas em Pinheiros antes de ser jogada para o outro lado deserto vizinho dos cavalos eu não tenho nada que agora precisaria ser dito Gritam para nossa alegria a internet tem um jeito estranho de gerar cultura eu sei o que esse homem está falando todos falam ao telefone e ouvem fones de ouvido as pessoas me olhavam pouco olhavam muito o chão os homens as vezes me olhavam minha tia me ligou e eu tive que pegar onibus ao sinal de 16h30 porque estava na Ponte Cidade Jardim e por sorte sabia onde estava do onibus vi muitas demolições e um homem que estudava uma partitura de musica acho que meu dedo vai cair o metro emite sinos e uma possa está a frente dos meus pés as vezes ouço o som da Dé escrevendo e a vi cruzar as pernas como os ritmos não param de acontecer e a minha cabeça é um novelo autorepro

 

 

Fabiane Carneiro:

 

Regra de Deslocamento:

Se eu vir alguém vestido com cores quentes, viro na próxima rua à direita. Se eu vir alguém vestido com cores frias, viro na próxima rua à esquerda. Se eu vir alguém com chapéu ou boné, eu paro em frente a uma vitrine e conto até 60. Se eu vir alguém vestido com saia, dou meia volta e continuo andando. As cores quentes prevalecem sobre as frias, que prevalecem sobre o chapéu ou boné, que prevalece sobre a saia.

 

Escrita Automática:

Sábado, 28, chuva.

Muitas cores no meu caminho. Pensei que, como esfriou, estamos no outono, iria eternamente em linha reta. Cores quentes direita, cores frias esquerda, chapéu ou boné parar (em frente a alguma vitrine, pois a ideia é não chamar a atenção), saia dar meia volta (esqueci dessa regra e acabei seguindo a saia). A cor vermelha impera entre as quentes. A azul entre as frias. Não sei porque as pessoas usam boné em um dia sem sol. Tive que parar seguidamente para ver a vitrine da loja de bebê. Ainda me lembro daquela joaninha vermelha e dos carrinhos. Várias vezes na Artur de Azevedo. A Álvares Simões ou Simões Álvares também foi meu  caminho por mais de uma vez. Capacete não vale, estampado não vale. Acho que não estou infringindo a regra. O cara do bar não está entendendo mais nada. É a terceira vez que passo por aqui. Andar em círculos, ou melhor, em vários quadrados. A movimentação do meu fluxo e das linhas que me guiam é mais intensa perto da Teodoro. Subi, desci. As ruas entre ela e a Rebouças são mais tranquilas, assim ando em linha reta e parece que a tontura diminui. Sou as quadras e ruas, sou levada por essas cores que me guiam. Vermelho, vermelho, outra vez vermelho. O rosa da minha frente acabou sendo levado por ele mesmo, virou duas vezes à direita, antes de entrar na loja. Por que tantos bonés em um dia sem sol e com chuva? Não encontro nenhuma vitrine para olhar. Boné novamente. Parei. Vários chocolates. Boné de novo. Aminoácidos, suplementos. O tênis da Déa apareceu na minha frente. Amarelo puro, me fez virar à direita. Começou a chover e as ruas ficaram mais desertas. Tento ficar embaixo das marquises e árvores. Não trouxe o guarda-chuva. Rebouças novamente. Será que atravessarei o Rio? Não, o cara de verde me fez virar à esquerda. As ruas me parecem conhecidas, mas elas se confundem com as linhas que as cores fazem, com o caminho que me fazem seguir. Não escutei o celular. Já passou da hora. Como é andar sem o comando da regra imposta? Um retorno ao meu eu? As cores passam ao meu redor, mas agora sem nenhuma força. O vermelho, azul, amarelo e verde desfilam sem comandar o meu andar. Estou comigo agora. Nada me conduz. Teodoro novamente. Fiquei à deriva muito perto do ponto de partida. Já estou sentada novamente no lugar de encontro. E as pessoas vão chegando. Uma das imagens mais fortes foi a dos 2, 3, 4, 5 frentistas do posto. Todos de amarelo e vermelho me mandando para a direita, mas seus bonés me imploravam para parar na primeira loja. Foi a de chocolate. Branco, chocolate branco. Não, não quero este. A Rebouças nesse ponto é mais baixa que a Rua dos Pinheiros, onde ficava o bar, com o cara de camisa vermelha que sempre me apontava para seguir à direita. O roxo apareceu exatamente na hora em que iria virar à direita, mudanças de curso. As cores me levam e não tenho controle.

 

 

Monica Lopes:

 

Regra de Deslocamento:

 

Se eu vir uma criança ou velho/velha eu paro e observo por 5 segundos. Se eu vir um carro vermelho ou preto eu atravesso a rua. Se eu vir uma demolição eu viro a próxima rua à direita. Se eu vir um bar eu viro a próxima rua à esquerda. Se eu vir alguém vestido de listrado, ou roupa com listras eu viro a próxima rua à direita. Se eu vir alguém com sacolas de compras eu viro a próxima rua à esquerda.

 

 

Escrita Automática:

“…. entre ruas e vai e vém … listras e listrados … “listrado deve estar na moda!”

Muitos carros, percepção mais aguçada, entrar em uma rua que não se conhecia e ir sem fim em caminhos desconhecidos.

… garoa…. folhas de árvores…. casas abandonadas… casarões…. trilhas para caminhar… praça …. criança: pausar.

Dúvida de pausar, onde ir? Seguir fluxo da rua, lugares desertos, cachorros… Medo!

Atravessei a rua… flores e folhas no chão … casas com flores … pássaros…. sons de pássaros! ….casarões luxuosos… fontes…. casas de exposição espelhadas, ruas estreitas –  parecia sem saída!

Rua movimentada, bares e pessoas prontas para sair em pleno sábado à tarde, mais chuva, cheiro de chuva, caminhar e caminhar, sacolas, listras – “pareço estar andando em círculos”. Vou e volto, passo mesma rua muitas vezes em partes diferentes.

… prédios antigos …. demolições … andar e andar…. não tem ninguém … só andar …

Pausa: um velhinho! – “Parece que estou em uma cidade do interior”.

Ruas estreitas, casas pequenas, flores no chão, andar e andar. Duas indicações ao mesmo tempo! Atravessar a rua, atravessar ruas, ir e vir muitas vezes. Comecei a me perder, não sabia mais onde estava. Não sabia qual direção, não sabia onde estava. Ficaria mais tempo, mas meu corpo começou a se cansar.

… casinhas coloridas…. crianças brincando na rua….

No início só atravessava ruas, depois comecei a andar sem parar em uma rua só. A ansiedade existe! A percepção se aguça, começa-se a ouvir todos os sons. E de repente, se esta de prontidão ao menor ruído. Presença! Estar ali apenas sem nada esperar… mas havia uma angústia!….por encontrar … uma listra pelo menos em uma camisa, …. uma sacola. A necessidade de, talvez, transformar um restaurante em um bar, para… simplesmente  mudar de direção, – “fazer alguma coisa!”

Mas eu persisti e continuei. Depois me senti zague-zagueando por um número de ruas… eu sempre me deparava com a mesma rua em partes diferentes! E assim ia…

Uma rua movimentada/ o telefone tocou: uma amiga querendo sair mais tarde/ um homem com camisa listrada/ falei rapidamente no telefone e segui a caminhada.

Acho que não tenho mais o que dizer: no caminho vi muitas listras, poucos bares, algumas demolições, algumas sacolas, pouca gente na rua na maioria das vezes –  “com exceção de quando entrava em ruas movimentadas como Faria Lima, Rebouças, Gabriel!” Acabei indo parar em uma parte que acho que se chama Jd. Paulistano.

Era um alívio quando eu via um velho/velha ou criança. Parar era bom! Uma sensação boa… mas um pouco constrangedora quando eu estava em lugares muito desertos… pois as poucas pessoas me olhavam-pensando: “o que eu devia estar fazendo ali parada?”  Em vários momentos achei que alguém ia me perguntar se eu estava perdida.

As pessoas ficam mais atentas, talvez porque eu esteja mais atenta ao redor. Um homem até falou comigo. Estava feliz –  voltando para casa e disse que tinha valido a pena a balada na noite anterior.

Eu só vi um cachorro andando sozinho e uma senhora passeando com um cachorro. Nas casas grandes e luxuosas havia cachorros gigantescos.

… chão molhado…. muitas árvores… passeava por entre folhas e árvores… casarões … ruas vazias.

Agora parece que fiquei vazia, tantas imagens: no final da trajetória me deparei com uma grande árvore na rua Atlântica.

Estava começando a ficar realmente perdida, o celular não tocou – foi tocar 5 min. depois do combinado! E eu fiquei parada ali, sem saber bem o que fazer.

Em vários momentos fiquei com dúvidas. É um corpo que ía mais não ía… dividido entre ir para onde queria e onde a indicação mandava.

Um corpo entre … atravessado por tantas imagens… cheiros… gostos… quereres!

Quando ficava neste estado, pausava e sentia o turbilhão dentro do corpo! Um corpo querendo ir para vários lugares ao mesmo tempo. Um corpo em estado de pronti….”